A nova gasolina que começa a ser vendida nos postos do Brasil a partir de hoje, segunda-feira (3), terá um padrão de qualidade maior, se comparada com a comercializada atualmente. Além disso, será mais difícil de ser adulterada e pode proporcionar um ganho de desempenho e economia nos veículos em torno de 5%, mas apenas nos motores mais modernos. O novo combustível também pode custar um pouco mais caro.

A Agência Nacional do Petróleo (ANP) estipulou que as distribuidoras terão até 60 dias para esgotarem os estoques da gasolina antiga. O prazo para os postos é de 90 dias. A partir daí, começa a fiscalização da ANP, que vai cobrar os novos padrões de formulação do combustível. A nova gasolina será vendida nas mesmas versões da atual: comum, aditivada e Premium.

Para o presidente do sindicato que reúne os donos de postos de combustíveis do Estado (Sindcombustíveis-PE) Alfredo Pinheiro Ramos, mesmo a nova gasolina não estando ainda em todos os postos na segunda-feira, por conta dos estoques, poderá haver aumento de preço nas distribuidoras, já que o mercado é livre para fixar valores. Mas Ramos também acredita que a concorrência entre os postos pode fazer com que muitos comerciantes absorvam o aumento e o preço não mude para o consumidor, pelo menos por enquanto.

“A disputa pelo cliente é muito grande entre os postos e nós ainda não nos recuperamos da queda nas vendas com o isolamento social. Quem puder, não vai repassar o aumento”. O presidente do Sindcombustíveis-PE disse ainda que entre os meses de março e junho as vendas chegaram a cair 50% e agora o movimento médio nos postos está em 75% do que era antes da pandemia. O preço médio do litro da gasolina comum em Pernambuco, segundo a ANP, está em R$ 4,262.

Vantagens 

Para o professor Florival Carvalho, coordenador do laboratório de combustíveis da UFPE, a nova gasolina trará benefícios para o consumidor. O professor explica que as mudanças na formulação do combustível se dão basicamente no aumento da densidade, ou “peso” do combustível, na octanagem, que tem a ver com a energia gerada na queima, e no índice de vaporização. “Com o aumento da densidade será possível obter mais energia com a mesma quantidade de combustível, consequentemente, o motorista vai conseguir rodar mais”, simplifica o professor. Haverá também uma melhoria na dirigibilidade, sem ‘engasgos’ do motor e maior dificuldade em adulterar o produto por conta de suas características físico químicas.


DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui