Divulgação

Um golpe que circula na internet com falso link para, supostamente, fazer o cadastramento na plataforma do auxílio emergencial de R$ 600 do governo federal já fez 6,7 milhões de vítimas desde março, alertou o dfndr lab — laboratório especializado em segurança digital da PSafe.

A mensagem afirma que os pagamentos começam nesta terça-feira (dia 7), o que não é verdade, e que é possível sacar a quantia imediatamente após preencher as informações, o que também é falso.

Ao clicar no site indicado, o usuário é levado um questionário com três perguntas: “Você recebe Bolsa Família?”; “Você é autônomo?”; “Você quer receber o auxílio?”. Após respondê-las afirmativamente, aparece uma mensagem dizendo que o benefício foi aprovado, mas que, antes, é necessário enviar o link para seus contatos no WhatsApp.

“Para tornar o ataque mais verídico, alguns golpes se aproveitam de ações reais que grandes empresas e o governo estão realizando para enfrentar o coronavírus, como a doação de álcool em gel e pagamento de benefícios à população. E a tendência é que o número de ataques e de vítimas aumente nos próximos dias, principalmente em decorrência do agravamento da situação do país neste momento de crise”, explicou Emilio Simoni, diretor do dfndr lab.

A PSafe, no entanto, informou que existem diversos links por onde o ataque de criminosos virtuais vem sendo disseminado.

  • Alguns dos links são:
  • auxilio-corona.info
  • auxiliocorona.com
  • auxiliocidadao.com
  • auxiliocidadao.archivezap.live/
  • bit.ly/AuxilioCidadao

Grande parte deles têm o objetivo de roubar dados pessoais e financeiros das vítimas ou levá-las a páginas falsas para visualizar publicidades excessivas.

Saiba como evitar cair em golpes

  • Evite clicar em links de mensagens que ofereçam brindes, prêmios ou benefícios;
  • Desconfie de informações sensacionalistas ou ofertas muito vantajosas e busque fontes confiáveis;
  • No caso de mensagens que tratam de assuntos governamentais, como benefícios sociais e questões de saúde pública, busque a informação em sites oficiais, como do Ministério da Economia e do Ministério da Saúde;
  • Não compartilhe mensagens sem antes verificar se a informação é verídica e se os links são seguros;
  • Utilize soluções de segurança no celular que oferecem a função de detecção automática de ‘phishing’ (roubo de dados) em aplicativos de mensagem e redes sociais;

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui