Divulgação

De acordo com relatório do Tribunal de Contas da União, mais de 500 mil beneficiários do auxílio emergencial foram excluídos do cadastro do governo, após constatar que eles não tinham direito ao benefício.

Essas pessoas receberam as primeiras parcelas, no entanto, após ajustes no processamento de dados, constatou-se que não cumpriam os requisitos necessários para obtenção do auxílio.

Documentos do Ministério da Cidadania enviados à corte, mostram diversos motivos para o afastamento dos beneficiários. Há casos em que os requerentes constam do cadastro de mortos da Receita Federal, moram no exterior, integram a população carcerária ou têm mandado de prisão em aberto.

Ainda, há situações em que o beneficiário teve o auxílio cancelado por via judicial ou administrativa, ou mesmo solicitou voluntariamente que ele não fosse pago.

Mortos recebiam o auxílio emergencial
Ainda, de acordo com o relatório, cerca de 17 mil mortos constam no cadastro de beneficiários. Aposentados do INSS, do Banco Central e da Justiça Federal, e servidores federais, também estavam na lista. Já foram somados mais R$ 500 milhões de pagamentos indevidos.

O Tribunal de Contas da União determinou que o governo busque o ressarcimento dos valores. Uma lista de possíveis fraudadores foi levada ao Ministério Público Federal para a tomada de providências no âmbito penal. 


DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui