Em depoimento prestado na Delegacia de Repressão aos Crimes de Trânsito de Palmas, o motorista Whandeuarly Rodrigues contou à polícia que dirigiu pelo acostamento da TO-010 e não viu os dois ciclistas que atropelou porque foi atrapalhado pelo sol. O acidente aconteceu no dia 8 de agosto, na rodovia entre Palmas e Lajeado.

O atropelamento matou os advogados Valdonez Sobreira de Lima, de 47 anos, e Thiago Germano Santos, de 34 anos. As duas vítimas foram arremessadas a vários metros e morram no local.

No depoimento, o motorista afirma que saiu do serviço por volta de 12h30 e se encontrou com amigos para seguirem em direção a Lajeado. O grupo iria para um acampamento em três carros. O homem conta que estava na frente do grupo, sendo seguido pelos amigos em outros dois veículos. Ele nega que tenha ingerido bebida alcoólica no dia do acidente e diz que foi atrapalhado pelo sol.

“Em uma determinada curva que entornava à esquerda, vinha em sentido contrário um caminhão, momento em que diminuiu a velocidade e direcionou seu carro um pouco para a direita, chegando a entrar no acostamento, momento então que, somado ao sol que estava em seu rosto por conta do horário, veio a colidir nos ciclistas”, diz trecho do depoimento.

O motorista relatou que após a colisão desceu do carro e foi ver o que tinha acontecido. Os carros que seguiam com ele também teriam parado. Segundo ele, foi possível perceber que os ciclistas tinham morrido e logo começou a juntar pessoas no local.

O depoimento relata ainda que não havia sinal de telefone no local e por isso Whandeuarly Rodrigues pediu que duas amigas seguissem até Lajeado para buscar ajuda. Entre elas, uma mulher que estava com ele no carro no momento do acidente.

O motorista nega que tenha fugido do local e no depoimento diz que começou a ser pressionado pelas pessoas que tinham parado. Ele afirma que só foi embora do local após ser aconselhado pelo motorista de um ônibus.

“O motorista do ônibus então o aconselhou a ir embora do local, haja vista que ambos os ciclistas já estariam mortos, bem como a aglomeração de pessoas e seu possível linchamento”, disse no depoimento.

Ele teria entrado no carro novamente e seguido em direção a Palmas, mas o veículo começou a fumaçar e foi abandonado na entrada de uma estrada de terra na região norte da capital.

Ainda segundo o depoimento, o motorista começou a caminhar em direção a casa de um conhecido, mas estava e escuro e resolveu passar a noite em uma árvore. No dia seguinte, chegou ao local e conseguiu contato com os parentes.

Whandeuarly Rodrigues afirmou estava levando bebidas porque os outros carros estavam cheios de coisas. Disse ainda que seu veículo começa a balançar ao chegar próximo de 90 km/h e isso o impede de superar essa velocidade.


DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui