Quarta, 26 de junho de 2019
63 9 9223-7820
Brasil

11/06/2019 às 07h54

357

Redação Sou de Palmas - A sua fonte de notícias!

Palmas / TO

Supremo deve votar nesta terça recurso do ex-presidente Lula que pode colocá-lo em liberdade
Integrantes do Supremo ouvidos reservadamente pela reportagem acreditam que a sessão pode servir para ministros darem recados ao ex-juiz federal Sérgio Moro e à Operação Lava Jato.
Supremo deve votar nesta terça recurso do ex-presidente Lula que pode colocá-lo em liberdade
Divulgação

Às vésperas do ministro Ricardo Lewandowski deixar a Presidência da Segunda Turma do STF (Supremo Tribunal Federal), o colegiado deve julgar nesta terça-feira (11), um recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso e condenado no âmbito da Operação Lava Jato, que pode colocá-lo em liberdade.


Integrantes do Supremo ouvidos reservadamente pela reportagem acreditam que a sessão pode servir para ministros darem recados ao ex-juiz federal Sérgio Moro e à Operação Lava Jato, depois de o site The Intercept Brasil publicar o conteúdo vazado de supostas mensagens trocadas por Moro e o coordenador da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol.


As conversas supostamente mostrariam que Moro teria orientado investigações da Lava Jato por meio de mensagens trocadas no aplicativo Telegram. O site afirmou que recebeu o material de fonte anônima.


O recurso de Lula começou a ser discutido em abril deste ano no plenário virtual do STF, mas um pedido de destaque do ministro Gilmar Mendes no dia 12 do mesmo mês interrompeu o julgamento e fez com que o processo seja discutido agora presencialmente pelos ministros.


O colegiado fará nesta terça-feira sessões pela manhã e pela tarde, as últimas presididas por Lewandowski, que vai deixar o comando da turma, mas seguirá fazendo parte dela. No fim do mês, a ministra Cármen Lúcia - considerada linha dura no julgamento de investigados - vai assumir a Presidência da turma e terá o controle do que será examinado nas sessões. A turma não se reunirá na próxima semana em virtude do feriado de Corpus Christi.


Em fevereiro, o ministro Luiz Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no STF, negou o pedido de liberdade de Lula, que está preso desde abril do ano passado na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. O julgamento suspenso no plenário virtual da SegundaTurma envolve um recurso de Lula contra essa decisão de Fachin.


O colegiado é composto pelos ministros Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Cármen Lúcia, Edson Fachin e pelo decano do STF, ministro Celso de Mello.


No caso em questão, Lula recorreu ao Supremo depois de o ministro Felix Fischer, do STJ (Superior Tribunal de Justiça), ter negado individualmente um recurso do petista contra sua condenação no caso do triplex do Guarujá.


No entanto, a Quinta Turma do STJ — em decisão colegiada e unânime — confirmou em abril deste ano a condenação do ex-presidente por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá (SP), mas reduziu a pena do petista de 12 anos e 1 mês de prisão para 8 anos, 10 meses e 20 dias de reclusão.


O pedido de destaque de Gilmar Mendes no plenário virtual do Supremo foi feito antes do julgamento colegiado desse outro recurso de Lula no STJ. Ou seja: existe a possibilidade do recurso de Lula no Supremo ter "perdido o objeto" agora, já que a Quinta Turma do STJ fez ajustes na decisão monocrática de Fischer. Na prática, a decisão monocrática de Fischer, contestada por Lula no Supremo, não existe mais.


Sou de Palmas, informação de qualidade e credibilidade em primeira mão! Quer sugerir ou receber nosso conteúdo? Entre em contato com nossa equipe.


(63) 99223 7820


FAÇA PARTE DA NOSSA REDE!


Facebook: https://m.facebook.com/SouDePalmasNoticias/?locale2=pt_BR


Twitter: @SouDePMW


Email: [email protected]

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados