Dengue mata

O Tocantins registra oito mortes por Dengue em 2019 e lidera o ranking nacional de maior incidência de casos prováveis da doença no Brasil

As mortes confirmadas aconteceram em Gurupi, Itacajá, Miracema, Palmas (duas vítimas), Paraíso do Tocantins, Pedro Afonso e Tocantínia.

17/10/2019 07h22
Por: Redação Sou de Palmas - A sua fonte de notícias!
319
Divulgação
Divulgação

Chegou O período chuvoso no Tocantins e com ele a preocupação com os casos de dengue. Ações de combate aos vetores já estão sendo intensificadas para que a doença não se torne uma epidemia, como vêm sendo apontada em outros Estados. 

A Secretaria Estadual de Saúde do Tocantins (SES) reuniu-se com os diretores de escolas estaduais da capital, nesta quarta-feira, 16, às 14h30min, na DRE de Palmas, para apresentar os dados epidemiológicos das doenças provocadas pelo Aedes Aegypti e reforçar importância da parceria com os educadores na prevenção de criadouros e no combate ao mosquito.

O Tocantins registrou oito óbitos, por Dengue, em 2019 e liderou o ranking nacional de maior incidência de casos prováveis da doença no Brasil, conforme a boletim epidemiológico publicado pelo Ministério de Saúde. 

As mortes confirmadas aconteceram em Gurupi, Itacajá, Miracema, Palmas (duas vítimas), Paraíso do Tocantins, Pedro Afonso e Tocantínia.

Entre janeiro e Agosto deste ano, foram 14.471 notificações de casos prováveis de dengue. Este é o maior número registrado na última década.

É neste cenário que a SES vem atuando, através de ações preventivas e informativas, por meio das áreas técnicas da Vigilância Epidemiológica das Arboviroses para reverter esses dados alarmantes em parceria com os demais órgãos do executivo estadual.

Durante a reunião, o gerente de Vigilância Epidemiológica das Arboviroses, o biólogo em Saúde, Evesson Farias de Oliveira, apresentou os gráficos com os dados oficiais e alertou para o risco do aumento de casos de Dengue, Zica e Chikungunya, bem como, para as graves sequelas decorrentes delas, tais como: microcelafia, problemas neurológicos, síndrome de Guillain Barré. Para ele, “é mais fácil, mais eficiente e mais barato combater o mosquito e o cuidado deve ser constante, concluiu”.

com o início das chuvas, aumentam as possibilidades do aumento dos criadouros do mosquito e precisamos de todos os esforços para reverter os dados apresentados. A conscientização individual ainda é a principal forma de combater o Aedes aegypti.

 

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Sou de Palmas
Municípios
Últimas notícias
Mais lidas
Banner sessão cidades
Anúncio