Na tarde desta sexta-feira, 17, o juiz Roniclay Alves de Morais indeferiu o pedido liminar da empresa de revenda de máquinas e ferramentas Ferpam, localizada no centro da Capital. A empresa queria que a Justiça entendesse que as atividades desenvolvidas eram atividades essências e lhe concedesse autorização para reabrir as portas e ter pleno funcionamento durante a pandemia de Covid-19.

A Ferpam utilizou como um das bases de sustentação contra o município o decreto de segunda-feira, 13, do governador Mauro Carlesse (DEM), que recomendou aos prefeitos o relaxamento da quarentena também para atividades não essenciais, para que o Estado deixe o isolamento horizontal para adotar o isolamento vertical, pelo qual apenas os grupos de risco (idosos e aquelas pessoas com doenças) fiquem afastados do convívio social.

Ao negar o pedido, o juiz citou os decretos municipais e leis federais sobre as medidas de combate à pandemia e a recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) em Ação Direta de Inconstitucionalidade (6341), decidida na quarta, 15, de que as medidas adotadas pelo Governo Federal para o enfrentamento do coronavírus não afastam a competência concorrente nem a tomada de providências normativas e administrativas pelos estados, pelo Distrito Federal e pelos municípios.

Em um dos trechos, o juiz lembra que mesmo o decreto da União que regula a lei federal prevê que, mesmo para as atividades essenciais, só poderão ter suas atividades limitadas por ato específico do Poder concedente ou regulador.

Decisão. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui