Palmas.

Nesta quinta-feira (16/07), o juiz José Lima, da 2ª Vara da Fazenda e Registros Públicos de Palmas negou o pedido de liminar solicitado pela Associação de Supermercados do Tocantins (Atos), que pedia a suspensão dos efeitos do 1º do Decreto Municipal nº 1920/2020, para permitir que os supermercados fossem excluídos da restrição de horário de funcionamento durante a noite, depois das 20h até as 5 da manhã.

Na decisão o magistrado reconhece a competência do poder público para fixar regras no controle da pandemia e anotou que não prospera a tese de inconstitucionalidade sustentada pela requerente, a Atos, e que as medidas preventivas e temporárias tomadas pelo Município em prol ao combate da Covid-19 encontram amparo na legislação federal e estadual, e que, por isso, nesta fase processual torna-se inviável o deferimento do pedido.

Segundo o procurador Geral do Município de Palmas, Mauro José Ribas, “a decisão do juiz da 2ª Vara da Fazenda Pública de Palmas reconhece que a Prefeitura de Palmas tem tomado as medidas necessárias, ainda que restritivas, para controlar a disseminação do Covid-19”.

O procurador destaca ainda que “neste momento foi necessária a adoção destas medidas para evitar um aumento expressivo dos casos e um possível colapso no sistema de saúde do Município. Após o período previsto no Decreto, será feita uma nova avaliação do cenário pela equipe de saúde para se verificar quais medidas deverão ser revistas”.


DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui