Divulgação

Após ter sua casa invadida em Palmas, uma professora teve sérios prejuízos, apesar de nada ter sido roubado, seu cão Marx, foi esfaqueado e sofreu graves ferimentos. Por não ter condições de pagar todo o tratamento, que custa R$ 7 mil, Gleys Ramos, está vendendo artesanato para arrecadar dinheiro e conseguir a quantia.

O ataque aconteceu perto do portão da casa, que foi aberto. A professora conta que correu para socorrer o animal. Ao ver a boca de Marx sangrando achou que ele teria atacado alguém. Por causa da agressão, o animal perdeu alguns dentes.

“Na hora achei que ele tinha tentado atacar uma pessoa que tinha tentado entrar em casa, mas depois vi o corte no abdome dele. A boca estava saindo muito sangue. Também fui em todos os vizinhos, mas ninguém foi ferido”, disse.

O caso foi na última quarta-feira (29). Após ser levado a uma clínica veterinária o cão passou por várias cirurgias e os profissionais constataram que as agressões se concentraram na barriga e na boca. “A língua dele foi muito machucada”, contou Gleys.

O animal deve receber alta nesta sexta-feira (31) e vai seguir um pós-operatório em casa. “Ele vai ficar com sonda e vou precisar ter muitos outros cuidados”, explicou a professora.

Gleys diz que já solicitou imagens de câmeras de monitoramento de uma torre que fica na frente da residência. Além de querer ver Marx recuperado, quer saber quem atacou o animal. “Ele é muito dócil e ainda que fosse um animal perigoso, nada justifica isso”, lamentou.

Para conseguir o valor necessário para pagar a clínica veterinária, Gleys está arrecadando dinheiro. Ela já vendeu vários objetos de casa e também oferta serviços como formatação e revisão de trabalhos acadêmicos e análise e consultoria de projetos de pesquisa.

A mulher também resolveu comercializar artesanato. “Faço mimos a partir de uma técnica chamada ‘Hama Beads’. São miçangas que são usadas para fazer brincos, chaveiros, figuras em geral. Eu faço qualquer coisa. Usava essa técnica como terapia e forma de presentear amigas. Não tinha vendido ainda”.

Do total da dívida, ela já conseguiu pagar R$ 3.119,50 e falta mais da metade do valor. A professora diz ainda que também aceita doações. “Não tenho vergonha de reconhecer que nesse momento eu não posso sozinha”, finalizou.

Com informações do G1 Tocantins.

Divulgação

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui